Wednesday, August 01, 2007



" Abro a porta de madeira e saio para o Mundo. Nos calendários ainda "Sexta Feira". Merda..."

Fugi.Parti. Estou vivo...
R.e.s.p.i.r.a E Espera...

Esperamos...

Despedimo-nos com as palavras certas ,
ainda julgamos prender o Mundo pelas amarras de cetim.
E peço-te , que olhes.
Hoje acordei e soube , como se o soubesse sempre.
(H)a Espera em mim e no mundo.

Até Breve?

Thursday, July 26, 2007

Ás vezes tenho uma certeza absoluta que penso demais nas coisas.Não que isso não seja bom , torna-se raro quem o faz hoje. Embalam-se prisões sobre nós e caimos nos becos escuros da complexidade da psicologia Humana.Choramos sobre os corpos caidos levitando o chão que continua vazio. Estão mortos , vitimas de si mesmos , de pulsos abertos e de expressão de horror no rosto. Sente-se a vertigem. E por vezes sinto que é mesmo fugaz , tudo , não apenas a vida. Sei demais , penso nisto mais vezes do que deveria.Não nego , por vezes há medo. Medo nos outros , em mim já nada se transparece nestes monologos inexpressivos a que a minha vida deu lugar , tudo por cobardia. As balas tocam-nos os dedos como palavras doces , o infinito quebra-se sobre os olhares cruzados que nos prendem a esta realidade acidental. Um sorriso. uma palavra.um olhar.tudo o mais.olha para mim.já te disse!.olha para mim.não te vás embora por favor.Era Feliz?.Nunca.E hoje?.Sim, morreu. Quando?.Há tanto tempo. Acabou?. Acho que sim. Está feliz.
Está tão feliz...

Wednesday, July 25, 2007

Tuesday, July 24, 2007

Saturday, July 21, 2007

( Abre o chapéu de chuva e permanece quieto durante alguns segundos)

Personagem – ( grita por ele)Esteves… ó Esteves! ( sorri) Então ainda sem metafísica? Oh lá! Mas ainda esperas pelas pessoas? Eu já não , cansei-me , estou só à espera de mim. Mas até disso já me vou cansando , vá lá ambos sabemos que esta não é a vida que escolhemos. Não , já me deixei de filosofias , já não me levam a lado nenhum. E na verdade , acho que prefiro ficar aqui , estou cansado de vaguear por ai. Como é que ela vai!? Ora , a filha da Lavadeira. Ela lembra-se de mim?. Pois é normal que não , só me viu por aí algumas vezes , de resto não há mais nada. ( suspira , senta-se em cima do banco) Vejo-te melhor daqui. E então , novas histórias por contar?

Wednesday, July 11, 2007

Restamos nos dias calados , como almas ainda quietas.
Somos demasiado , nossos, ou do mundo que não nos pertence.
Hoje reaparecem as palavras a carvão desenhadas sobre as parede.
Há quem reze ainda , por ti.
Na Esperança que tudo não passe de um suspiro curto.
- Morre , morre por mim…
E aos outros ondulam-se pelos cabelos as promessas de um Amor eterno;
Quando sabemos que não passa do nada; Ele nem existe.
Pedes-me para te amar , é demais. Tu sabes.
Fazes-me falta. Num ódio profundo , fazes-me demasiada falta.
- Leva-me daqui…
Os pulsos derramam-se em sangue como que num bailado, hoje, ausente.
Ah , tu sabes.Hoje não há espaço para sentimentos , apenas melancolia.
Um vazio bem fundo , que não passa disso mesmo , um vazio , um nada.
- Ainda te lembras de mim?
Deixa-me contar-te.
Nas paredes negras , o carvão esvai-se nos versos mudos.
Já não choras. Hoje não.
E sabes tão bem , descobriste.
Esse Amor dos poetas ,
Vá. Já não há nada em que acreditar.
Dorme…
Um dia , tudo será diferente.
Por isso até lá.
Fica Comigo. Dorme , dorme em mim.
Dorme.

Friday, July 06, 2007


Fica comigo , fica comigo até amanhecer.
É isso que te peço , mais nada.
Nem uma única palavra.
Fica comigo nos meus braços até dizer que não.
Que o mundo se fartou de mim e que chegou a hora de anoitecer novamente.
Não me ames , peço-te , é demais para mim.
Não quero os gritos , nem as noites mal dormidas , quero-te só a ti para que não me sinta sozinho.
E hoje , hoje o mundo torna-se o lugar mais frágil de todo o universo.
Contamos aos segredos o medo que temos do tempo , desde sempre.
Já estamos tão fartos das palavras e das coisas belas , chega.
Quero-te só aqui , já disse , ao meu lado.
Nos meus braços , sem dizer uma única palavra , como se o Amor pudesse ser isso mesmo , a simplicidade de um abraço.
Já te disse , não te lembres de mim , nunca.
Não o faças , é inútil demais , até mesmo para ti.
Chega de beijos demorados , de mãos que se agarram como se de tudo isto a vida dependesse , não.
Hoje sou apenas isto , não me peças mais nada.
Amo demais quem não existe , sabes disso , sabes que a amo.
E nos olhares , espalham-se os caminhos tristes e desamparados de toda a simplicidade que há nessa palavra seca

E já tão esquecida.
Amo-te demais, nesta simples simplicidade de te amar.
Fica comigo , apenas hoje , até anoitecer.